Ventania em Peniche adia o início do Moche Rip Curl Pro em Portugal

Gabriel Medina foto ASP

Gabriel Medina foto ASP

A vitória no Moche Rip Curl Pro Portugal garante o título mundial de 2014 para Gabriel Medina, mesmo que a bateria final seja contra Kelly Slater

O domingo amanheceu com vento “onshore” muito forte em Peniche e o início do Moche Rip Curl Pro teve que ser adiado no primeiro dia do seu prazo, que vai até o dia 23 em Portugal. Uma nova chamada foi marcada para as 7h30 da segunda-feira, 3h30 da madrugada pelo fuso horário de Brasília. Esta penúltima etapa do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 pode decidir o título mundial da temporada para o brasileiro Gabriel Medina. A vitória nas ondas de Supertubos garante o primeiro caneco de campeão mundial do Brasil na história, independente dos resultados dos outros seis surfistas que ainda têm chances matemáticas de título, o norte-americano Kelly Slater, os australianos Mick Fanning, Joel Parkinson e Taj Burrow, o taitiano Michel Bourez e o havaiano John John Florence.

A possibilidade para Gabriel Medina sacramentar a posição de melhor surfista do mundo por antecipação em Portugal, só começa se ele vencer duas baterias em Peniche, ou seja, quando passar para a quarta fase do Moche Rip Curl Pro. Caso isso não aconteça, a decisão do título vai automaticamente para o Billabong Pipe Masters, que fecha a temporada nos dias 8 a 20 de dezembro na ilha de Oahu, Havaí.

O seu primeiro desafio em Portugal será contra os australianos Kai Otton que venceu esta etapa no ano passado e um dos convidados da Rip Curl, Jacob Willcox, no sexto confronto do dia. Medina entra no mar logo após a estreia de Kelly Slater contra o também australiano Matt Wilkinson e o português Nic Von Rupp. Nesta rodada inicial, ninguém é eliminado. Os vencedores passam direto para a terceira fase, mas os perdedores têm uma segunda chance de classificação na repescagem.

Kelly Slater foto ASP

Kelly Slater foto ASP

Se conseguir avançar e também derrotar seu oponente na terceira fase, Medina já tira dois adversários da corrida do título mundial, Taj Burrow e Michel Bourez, além de forçar Kelly Slater a chegar nas semifinais, Mick Fanning ser finalista e Joel Parkison e John John Florence a vencerem as duas últimas etapas da temporada. A partir daí, o fenômeno de Maresias vai eliminando concorrentes a cada fase e, dependendo dos resultados deles, poderá ser consagrado campeão mundial de 2014 até mesmo durante o campeonato em Portugal.

Se vencer mais uma bateria e terá duas chances para isso, ele já passa para as quartas de final, atinge 60.000 pontos no ranking e acaba com as possibilidades matemáticas de mais dois surfistas, Joel Parkinson e John John Florence. Apenas dois continuariam na briga, com Slater precisando no mínimo de um segundo lugar em Peniche e Fanning a ganhar as duas etapas.

Se avançar mais uma fase, Gabriel Medina só não será consagrado como campeão mundial de 2014 se Slater ou Fanning também estiverem nas semifinais, pois eles ainda poderiam adiar a decisão do título para o Havaí se vencerem o Rip Curl Pro, com ambos também necessitando da vitória no Billabong Pipe Masters para ultrapassar os 61.300 pontos que o brasileiro ficaria no ranking. E se passar para a grande final em Portugal, apenas Kelly Slater ainda teria chance de superar os 62.800 pontos que Medina atingiria com o vice-campeonato, desde que ele seja o vencedor da etapa portuguesa e também ganhe a do Havaí.

Lineup

Lineup

POSSIBILIDADES DO TÍTULO MUNDIAL SER CONFIRMADO EM PORTUGAL:

– 25.o ou 13.o lugar de Gabriel Medina, o título fica para ser decidido no Havaí – Kelly Slater segue na briga com qualquer resultado e assume a liderança do ranking com vitória em Portugal, mas Mick Fanning precisaria chegar nas quartas de final para ter chances de título no Havaí, Joel Parkinson e John John Florence só ficam na disputa se forem finalistas em Portugal, enquanto para Taj Burrow e Michel Bourez só interessa a vitória nas duas etapas

– 9.o lugar na Quinta Fase – acabam as chances de Taj Burrow e Michel Bourez e Gabriel Medina será campeão mundial se Kelly Slater não chegar nas semifinais, se Mick Fanning não for finalista e se Joel Parkinson e John John Florence não vencerem o campeonato

– 5.o lugar nas Quartas de Final – Joel Parkinson e John John Florence saem da corrida do título e Gabriel Medina será campeão mundial se Kelly Slater não for um dos dois finalistas e se Mick Fanning não vencer a etapa

– 3.o lugar nas Semifinais – Gabriel Medina será campeão mundial se Kelly Slater ou Mick Fanning não forem o vencedor da etapa portuguesa

– 2.o lugar na Grande Final – Mick Fanning sai da briga e Gabriel Medina será campeão mundial se Kelly Slater não for o vencedor, o que levaria a decisão do título para Banzai Pipeline no Havaí

– a vitória no Moche Rip Curl Pro Portugal garante o título mundial de 2014 para Gabriel Medina, mesmo que a bateria final seja contra Kelly Slater

O Moche Rip Curl Pro Portugal será transmitido ao vivo na internet pelo www.aspworldtour.com e o link também pode ser acessado através do www.aspsouthamerica.com clicando-se no banner do evento na capa da página da ASP South America.

Supertubos

Supertubos

PRIMEIRA FASE DO MOCHE RIP CURL PRO PORTUGAL:

1.a: Taj Burrow (AUS), Fredrick Patacchia (HAV), Travis Logie (AFR)
2.a: John John Florence (HAV), Jadson André (BRA), Brett Simpson (EUA)
3.a: Joel Parkinson (AUS), C. J. Hobgood (EUA), Jeremy Flores (FRA)
4.a: Mick Fanning (AUS), Sebastian Zietz (HAV), Raoni Monteiro (BRA)
5.a: Kelly Slater (EUA), Matt Wilkinson (AUS), Nic Von Rupp (PRT)
6.a: Gabriel Medina (BRA), Kai Otton (AUS), Jacob Willcox (AUS)
7.a: Michel Bourez (TAH), Filipe Toledo (BRA), Aritz Aranburu (ESP)
8.a: Adriano de Souza (BRA), Julian Wilson (AUS), Alejo Muniz (BRA)
9.a: Jordy Smith (AFR), Adrian Buchan (AUS), Mitch Crews (AUS)
10: Kolohe Andino (EUA), Miguel Pupo (BRA), Adam Melling (AUS)
11: Josh Kerr (AUS), Bede Durbidge (AUS), Dion Atkinson (AUS)
12: Owen Wright (AUS), Nat Young (EUA), Tiago Pires (PRT)

TOP-22 DO RANKING DO SAMSUNG GALAXY ASP WORLD TOUR 2014 – 9 etapas:

1.o: Gabriel Medina (BRA) – 56.550 pontos
2.o: Kelly Slater (EUA) – 50.050
3.o: Mick Fanning (AUS) – 43.600
4.o: Joel Parkinson (AUS) – 43.100
5.o: John John Florence (HAV) – 41.950
6.o: Taj Burrow (AUS) – 41.700
7.o: Michel Bourez (TAH) – 40.250
8.o: Adriano de Souza (BRA) – 37.550
9.o: Jordy Smith (AFR) – 35.400
10: Kolohe Andino (EUA) – 34.650
11: Josh Kerr (AUS) – 31.000
12: Owen Wright (AUS) – 30.650
13: Nat Young (EUA) – 29.900
14: Bede Durbidge (AUS) – 23.700
15: Miguel Pupo (BRA) – 23.400
16: Adrian Buchan (AUS) – 22.700
17: Julian Wilson (AUS) – 19.250
18: Filipe Toledo (BRA) – 18.750
18: Fredrick Patacchia (HAV) – 18.750
20: Jadson André (BRA) – 18.250
21: C. J. Hobgood (EUA) – 17.700
22: Sebastian Zietz (HAV) – 16.700

——-outros brasileiros:

29: Alejo Muniz (BRA) – 11.700 pontos
35: Raoni Monteiro (BRA) – 4.500

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=1191

1 comentário

    • leticia em 13 de outubro de 2014 às 21:20

    parabéns pela página!

Comentários foram desabilitados.