Vitória espetacular do Italo Ferreira em Bali

Italo Ferreira (BRA) e Lakey Peterson (USA) gahnadores do 2018 Corona Bali Protected em Keramas, Bali, Indonesia

O potiguar ganhou a única nota 10 do Corona Bali Protected nas semifinais e fez um novo recorde de 18,83 pontos na decisão do título com o taitiano Michel Bourez na Indonésia e volta a liderar o ranking do CT

O potiguar Italo Ferreira foi coroado como campeão do Corona Bali Protected e carregado no trono pelos balineses ao sair do mar como Rei de Keramas, após a vitória espetacular no quinto desafio do World Surf League Championship Tour na Indonésia. Com um backside imbatível nas direitas perfeitas de Keramas, ele tirou a única nota 10 do evento nas semifinais e fez um novo recorde de 18,33 pontos na decisão com o taitiano Michel Bourez no domingo em Bali.

Italo Ferreira, foto Sloane

A vitória era o único resultado para Italo recuperar a lycra amarela do Jeep Leaderboard, que Filipe Toledo já tinha tirado do australiano Julian Wilson na Indonésia. Os dois brasileiros agora lideram a corrida pelo título mundial da temporada 2018. A americana Lakey Peterson também precisava vencer para retomar a ponta do ranking e conseguiu isso na final com a australiana Tyler Wright.

“É muito legal voltar a usar a lycra do Jeep Leader, quero aproveitar este momento, mas tem muitos passos ainda que preciso dar para chegar ao título mundial”, disse Italo Ferreira. “O CT está cheio de surfistas incríveis, mas estou confiante, quero manter o ritmo e ganhar mais para aumentar minha liderança”.

Italo Ferreira (BRA), foto WSL

O novo número 1 do mundo parecia estar surfando em casa, nas direitas do Pontal de Baía Formosa, onde nasceu no Rio Grande do Norte. Ele não deu qualquer chance ao taitiano Michel Bourez, que chegou na final em Keramas como em 2013, na única etapa do CT nessa praia de Bali, vencida pelo australiano Joel Parkinson. Italo já começou forte a bateria com seu backside imbatível massacrando as ondas com batidas verticais, rasgadas também abrindo grandes leques de água, variando as manobras com uma velocidade impressionante.

Ele largou na frente com notas 7,17 e 7,67 nas duas primeiras ondas, enquanto Michel Bourez falhava nas primeiras tentativas. Não tinham os tubos que o levaram até ali e o máximo que conseguiu com manobras foi 5,83 na bateria. Já Italo Ferreira estava “on fire”, dando um show a cada onda, acertando tudo com um surfe moderno, recheado de manobras progressivas e inovadoras de backside nas direitas de Keramas. A terceira onda dele já entrou no critério excelente dos juízes, 8,5, que acabou descartada porque ganhou 9,27 e 9,60 nas duas seguintes, para fechar a “combination” sobre o taitiano em 18,87 a 9,83 pontos.

Italo Ferreira, foto Sloane

“Essa onda aqui é perfeita, lembra bastante a da minha casa (Baía Formosa)”, comparou Italo Ferreira. “Eu tenho surfado bem cedo aqui todos os dias porque eu amo essa onda e queria aproveitar ao máximo. Hoje (domingo) foi um dia perfeito. O Michel (Bourez) tem realmente um power-surf, provavelmente o melhor do Tour, então eu sabia que precisava fazer o meu melhor para vencer. Felizmente para mim, encontrei algumas boas ondas para mostrar o meu surfe”.

Italo foi o primeiro a vencer duas etapas esse ano, metade das quatro completadas. Filipe Toledo ganhou o Oi Rio Pro em Saquarema e a outra foi Julian Wilson na Gold Coast. O potiguar parece estar colecionando vitórias emblemáticas. A primeira badalando o sino do troféu do Rip Curl Pro Bells Beach, a etapa mais antiga do Circuito Mundial, na bateria que encerrou a carreira do tricampeão mundial Mick Fanning. Agora, vivenciou todo o cerimonial do reino balinês em Keramas, sendo coroado ao sair do mar e carregado no trono até o pódio, já com uma vestimenta da Indonésia e uma bandeira do Brasil.

Italo Ferreira, foto Cestari

JEEP LEADERBOARD – O surfista criado nas direitas perfeitas do Pontal de Baía Formosa, parecidas com as de Keramas com séries de 3-4 pés no domingo, vai competir com a lycra amarela sozinho pela primeira vez esse ano. Nas outras duas, Julian Wilson também usava porque dividiram a liderança em Margaret River e no Oi Rio Pro em Saquarema. Filipe Toledo já tinha tirado o primeiro lugar do australiano na terceira fase e Italo Ferreira precisava vencer o campeonato. Conseguiu e a batalha continua já a partir de quarta-feira em Bali mesmo, nas esquerdas tubulares de Uluwatu, onde será finalizada a etapa de Margaret River cancelada na terceira fase, pela ameaça de tubarões na região do evento no oeste da Austrália.

De Souza, foto WSL

Enquanto os brasileiros assumem a dianteira na corrida pelo título mundial, o taitiano Michel Bourez também entrou na briga com o vice-campeonato em Keramas, tirando o quarto lugar de Gabriel Medina no ranking. A disputa pela lycra amarela do Jeep Leaderboard em Uluwatu será só entre os cinco primeiros, Italo Ferreira, Filipe Toledo, Julian Wilson, Michel Bourez e Gabriel Medina, que tem que vencer o campeonato e Italo não passar nenhuma bateria. Bourez precisa chegar na final para isso, Julian Wilson nas semifinais e Filipe nas quartas de final, ou seja, passar duas baterias em Uluwatu. Isso se o líder Italo Ferreira, perder o duelo brasileiro com o cearense Michael Rodrigues pela terceira fase do Margaret River Pro em Bali.

“Foi legal enfrentar o Italo (Ferreira) na final. Ele estava arrebentando a semana toda e nós éramos sempre os primeiros a entrar no mar todas as manhãs, fazendo o mesmo programa”, contou Michel Bourez. “Ele é um cara tão bom, então estou feliz por ele também. Fazer a final é ótimo, mas o segundo lugar não é suficiente porque a vitória teria me levado mais para cima no ranking. Mas, tudo bem, estou mais confiante para Uluwatu agora e realmente me sinto muito bem aqui em Bali, parece com a minha casa na ilha do Taiti”.

Jesse Mendes, foto Sloane

O taitiano foi, talvez, quem surfou os melhores tubos em Keramas durante o Corona Bali Protected. Foi passando por dentro que ele ganhou a maioria das baterias, mas no domingo teve que manobrar também para bater o australiano Mikey Wright na semifinal que abriu o dia, as 9h00 na Indonésia. Italo entrou na segunda bateria e viu o sul-africano Jordy Smith destruir suas primeiras ondas, com batidas e rasgadas muito fortes para começar na frente com notas 7,00 e 8,00.

SEMIFINAL NOTA 10 – Italo respondeu com o seu primeiro ataque feroz de backside tirando 7,13 na primeira onda. A prioridade de escolha da próxima ficou então para o sul-africano, mas ele deixou passar uma e Italo foi nela. Ele já entrou buscando uma rampa para voar e decolou num aéreo muito alto, fez a rotação completa e aterrissou na base, com controle total e ainda mandou mais duas manobras muito fortes. Foi uma apresentação impressionante e o público vibrou no domingo de praia lotada em Keramas.

Michael Rodrigues, foto WSL

Ele mesmo se aplaudiu no final da onda e abriu as duas mãos pedindo nota 10 para os juízes. Eles atenderam para o brasileiro passar a frente pela primeira vez na bateria. Jordy ficou precisando de 9,13 e há 9 minutos do fim achou um tubo incrível, longo, saiu e recebeu 8,93, diminuindo a vantagem para 8,21 pontos possíveis para quem já tinha conseguido isso várias vezes durante o evento. Só que não entraram mais ondas com potencial para isso e o placar foi encerrado já com um novo recorde de 17,13 pontos, contra 16,93 do sul-africano.

DECISÃO FEMININA – A decisão do título feminino aconteceu logo após esse duelo emocionante, porém foi quando o mar deu uma parada, depois de tanta onda boa. A norte-americana Lakey Peterson ainda conseguiu pegar uma no início que abriu a parede lisinha para fazer uma série de manobras de borda, que valeram nota 8,33. A atual bicampeã mundial Tyler Wright, que na sexta-feira eliminou as brasileiras Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima, demorou para entrar no jogo e a californiana ia aumentando a vantagem com notas baixas mesmo, pegando as que ela deixava passar.

Lakey Peterson, foto WSL

Mas, teve teve tempo ainda para Tyler Wright mostrar a potência do seu frontside nas direitas de Keramas, fazendo grandes manobras numa boa onda que valeu 7,17. Lakey Peterson respondeu com nota 6,00 e a australiana ficou precisando de outro 7,17 para vencer. Ela até teve uma última oportunidade e fez o possível na onda, porém a nota saiu 6,57 e Lakey Peterson comemorou sua segunda vitória no ano por 14,33 a 13,74 pontos. Este era o único resultado para a australiana retomar a lycra amarela da hexacampeã mundial Stephanie Gilmore, mas a batalha entre elas continua praticamente fase a fase.

“Eu estou na Lua agora. Isso é muito louco”, vibrou Lakey Peterson. “Ver a Steph (Gilmore) ganhar no Brasil (Oi Rio Pro em Saquarema), realmente acendeu um fogo em mim e eu vim aqui sabendo o que tinha que fazer. Sei que o ano é muito longo, mas é bom fazer parte disso agora. Fazer uma final com a Tyler (Wright) foi legal. Ela está surfando muito bem e quando ela pegou aquela última onda, eu fiquei muito nervosa, não sabia se ela conseguiria os pontos. No final, deu tudo certo pra mim e aquele trono na praia foi muito legal, com pessoas dançando por todo lado, é uma loucura, estou muito feliz”.

Sobre voltar a usar a lycra amarela do Jeep Leaderboard, Lakey Peterson falou: “Conseguir isso é incrível. Estamos todas aqui para isso. Eu usei ela uma vez em Bells e está com a Steph desde então, mas é bom ter ela de volta. Todas estão surfando muito bem e não será fácil mantê-la, mas só quero fazer meu próprio jogo e agir sempre como se estivesse vindo de trás ainda. Só quero aproveitar cada momento e agradecer ao meu noivo, minha mãe e minha família por tudo”.

Silvana Lima, foto Sloane

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do Corona Bali Protected podem ser acessadas na página do evento no www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Filipe Toledo, foto Sloane

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager

———————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO CORONA BALI PROTECTED:

Campeão: Italo Ferreira (BRA) por 18,87 pontos (9,60+9,27) – US$ 100.000 e 10.000 pontos
Vice-campeão: Michel Bourez (TAH) com 9,83 pontos (5,83+4,00) – US$ 55.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS MASCULINAS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 30.000:

1.a: Michel Bourez (TAH) 14.27 x 5.67 Mikey Wright (AUS)
2.a: Italo Ferreira (BRA) 17.13 x 16.93 Jordy Smith (AFR)

DECISÃO DO TÍTULO FEMININO DO CORONA BALI PROTECTED:

Campeã: Lakey Peterson (EUA) por 14,33 pontos (8,33+6,00) – US$ 65.000 e 10.000 pontos
Vice-campeã: Tyler Wright (AUS) com 13,74 pontos (7,17+6,57) – US$ 33.000 e 7.800 pontos

TOP-22 DO JEEP LEADERBOARD – RANKING WSL 2018 – após a 5.a etapa em Bali:

01: Italo Ferreira (BRA) – 24.995 pontos
02: Filipe Toledo (BRA) – 22.820
03: Julian Wilson (AUS) – 21.080
04: Michel Bourez (TAH) – 19.375
05: Gabriel Medina (BRA) – 17.860
06: Adrian Buchan (AUS) – 15.250
07: Griffin Colapinto (EUA) – 14.580
08: Wade Carmichael (AUS) – 14.005
09: Ezekiel Lau (HAV) – 13.335
10: Owen Wright (AUS) – 13.240
10: Michael Rodrigues (BRA) – 13.240
12: Mikey Wright (AUS) – 13.115
13: Jordy Smith (AFR) – 12.745
14: Jeremy Flores (FRA) – 12.195
15: Mick Fanning (AUS) – 11.500
16: Willian Cardoso (BRA) – 11.405
17: Adriano de Souza (BRA) – 11.150
18: Tomas Hermes (BRA) – 10.255
19: Kolohe Andino (EUA) – 10.160
19: Frederico Morais (PRT) – 10.160
21: John John Florence (HAV) – 9.115
21: Conner Coffin (EUA) – 9.115

——–outros brasileiros:

24: Jessé Mendes (BRA) – 7.870 pontos
27: Yago Dora (BRA) – 7.670
32: Ian Gouveia (BRA) – 5.380
35: Miguel Pupo (BRA) – 2.505
36: Caio Ibelli (BRA) – 2.100
38: Alejo Muniz (BRA) – 1.665
41: Wiggolly Dantas (BRA) – 420
41: Deivid Silva (BRA) – 420

TOP-10 DO JEEP LEADERBOARD – RANKING WSL 2018 – 5 etapas:

01: Lakey Peterson (EUA) – 35.630 pontos
02: Stephanie Gilmore (AUS) – 34.235
03: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 26.105
04: Tyler Wright (AUS) – 23.460
05: Carissa Moore (HAV) – 22.065
06: Caroline Marks (EUA) – 21.745
07: Sally Fitzgibbons (AUS) – 21.390
08: Silvana Lima (BRA) – 20.050
09: Keely Andrew (AUS) – 18.410
10: Nikki Van Dijk (AUS) – 18.355

BATERIAS DO MARGARET RIVER PRO EM ULUWATU, BALI:

QUARTAS DE FINAL FEMININAS – 5.o lugar com 4.745 pontos e US$ 14.475:

1.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) x Carissa Moore (HAV)
2.a: Stephanie Gilmore (AUS) x Bronte Macaulay (AUS)
3.a: Johanne Defay (FRA) x Nikki Van Dijk (AUS)
4.a: Lakey Peterson (EUA) x Tyler Wright (AUS)

TERCEIRA FASE MASCULINA – 13.o lugar com 1.665 pontos e US$ 11.500:

1.a: Owen Wright (AUS) x Keanu Asing (HAV)
2.a: Kolohe Andino (EUA) x Jessé Mendes (BRA)
3.a: Jordy Smith (AFR) x Michael February (AFR)
4.a: Italo Ferreira (BRA) x Michael Rodrigues (BRA)
5.a: Sebastian Zietz (HAV) x Conner Coffin (EUA)
6.a: Julian Wilson (AUS) x Kael Walsh (AUS)
7.a: Gabriel Medina (BRA) x Jack Robinson (AUS)
8.a: Michel Bourez (TAH) x Connor O´Leary (AUS)
9.a: Adriano de Souza (BRA) x Willian Cardoso (BRA)
10: Filipe Toledo (BRA) x Yago Dora (BRA)
11: Joel Parkinson (AUS) x Joan Duru (FRA)
12: John John Florence (HAV) x Mikey Wright (AUS)

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=13749