Hurley Australian Open of Surfing 2015

Mick Fanning foto Owen

Mick Fanning foto Owen

Dobradinha brasileira na abertura do WSL QS 6000 Hurley Australian Open

Começou com uma dobradinha verde-amarela o primeiro grande confronto internacional do WSL Qualifying Series 2015 na Austrália. O capixaba Krystian Kymerson venceu a primeira bateria do QS 6000 Hurley Australian Open of Surfing e o carioca Pedro Henrique completou a classificação dupla do Brasil nas ondas de 2 pés da segunda-feira em Manly Beach, Sydney. O catarinense Jean da Silva também estreou com vitória e mais dois sul-americanos passaram em segundo lugar para a rodada dos cabeças de chave nas dez baterias realizadas no primeiro dia, o pernambucano Halley Batista e o uruguaio Marco Giorgi. Ainda rolaram duas fases do QS 6000 feminino e as duas únicas brasileiras perderam na rodada inicial, as cariocas Karol Ribeiro e Carol Henrique, que está representando Portugal no circuito mundial da World Surf League.

Carissa Moore

Carissa Moore

Mas, a América do Sul ainda tem duas representantes para brigar pelo título feminino, a peruana Anali Gomez e a equatoriana Dominic Barona, que fazem parte da lista das 36 cabeças de chave que entram direto na terceira fase da competição, quando começa a ser distribuída a premiação em dinheiro oferecida nas etapas do WSL Qualifying Series das meninas. Já na categoria masculina, um total de 38 sul-americanos se inscreveu na primeira etapa de 6.000 pontos do ano, sendo 32 brasileiros, três peruanos, dois argentinos e um uruguaio, Marco Giorgi, que se classificou no primeiro dia.

Kaiona Igarashi

Kaiona Igarashi

Nove deles competiram na segunda-feira e cinco passaram para a segunda fase, enquanto quatro se despediram logo em suas primeiras atuações nas pequenas ondas de Manly Beach, os baianos Marco Fernandez e Bino Lopes, o paulista Sidney Guimarães e o peruano Gabriel Villaran. Com a vitória na primeira bateria do Hurley Australian Open of Surfing, Krystian Kymerson agora vai encarar o tricampeão mundial Mick Fanning na abertura da segunda fase. Além dele, o também australiano Jacob Willcox e o taitiano Mateia Hiquily. Pedro Henrique foi para a segunda bateria dos cabeças de chave Billy Stairmand da Nova Zelândia e Nathan Hedge, com o também australiano Lincoln Taylor completando o confronto.

O catarinense Jean da Silva e o uruguaio Marco Giorgi acabaram indo para a sétima bateria do cearense Heitor Alves e do francês Joan Duru, que vai enfrentar os três sul-americanos na briga por duas vagas para a terceira fase. E o pernambucano Halley Batista, que fecha a lista dos cinco classificados no primeiro dia, foi junto com o norte-americano Kanoa Igarashi para a décima bateria, encabeçada pelo paulista Jessé Mendes e o australiano Mitch Crews. Mais dezessete sul-americanos ainda vão disputar a primeira fase, que ficou para ser completada nesta terça-feira em Sydney.

Tia Blanco

Tia Blanco

CABEÇAS DE CHAVE – Além deles, outros doze representantes da América do Sul fazem parte da lista dos 48 cabeças de chave que entram na segunda fase. Dos brasileiros que integram a elite mundial do WCT este ano, somente Miguel Pupo e Wiggolly Dantas escolheram participar desta etapa que no ano passado foi vencida por outro paulista, Adriano de Souza. Wiggolly encabeça a quarta bateria junto com o argentino Santiago Muniz. O paulista David do Carmo entra na seguinte, depois tem o cearense Heitor Alves estreando na sétima, o catarinense Alejo Muniz na nona, o paulista Jessé Mendes na décima, o catarinense Willian Cardoso na 14.a, os paulistas Caio Ibelli na 15.a, Alex Ribeiro na 16.a e Miguel Pupo na 17.a, o cearense Michael Rodrigues na 21.a e o catarinense Tomas Hermes na 22.a das 24 baterias da segunda fase.

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=1511