Alex Gray vence etapa do Big Wave World Tour em Nelscott Reef

nelscottreefJá Bianca Valenti venceu o super heat feminino

Surf Portugal
O norte-americano Alex Gray foi o vencedor do Dive N’ Surf Oregon Pro, terceira etapa realizada do Big Wave World Tour 2013/14, superiorizando-se à concorrência numa final onde alcançou uma nota 10. A competição feminina foi vencida por Bianca Valenti, que passa assim a ser a primeira campeã mundial feminina de ondas grandes, depois deste evento especial em Nelscott Reef.

Gray, que em outubro passado se destacou no nosso país em sessões bem pesadas na Cave, teve de enfrentar uma forte concorrência na final, alcançando 27,17 pontos, contra 24,17 do norte-americano Shawn Dollar que foi segundo, 23,67 do líder do ranking Grant Twiggy Baker que foi terceiro, 23,67 do havaiano Kohl Christensen (4.º), 23,49 de Will Skudin (5.º) e 22,66 de Anthony Tashnick (6.º).

Este resultado deverá ser suficiente para Twiggy alcançar o título de campeão mundial de ondas grandes de 2013/14, uma vez que havia vencido os dois primeiros eventos disputados, somando já 2.630 pontos no ranking. Ainda assim, não existe qualquer tipo de informação e comunicação por parte do Big Wave World Tour em relação a isso.

as_surf_colin_travis_2048

Ken Collins era segundo no ranking à partida para esta prova, com 1059,38 pontos, mas caiu logo pela primeira ronda no Oregon Pro. Alex Gray e Shawn Dollar, que superaram o sul-africano nesta etapa estavam em posições muito baixas no ranking e não devem sequer entrar nestas contas. Esperamos pela atualização dos rankings no site oficial do Big Wave World Tour…

Já Bianca Valenti venceu o super heat feminino com um total de 23,83 pontos, batendo Andrea Moller (2.ª), Keala Kennelly (3.ª), Jamila Star (4.ª), Savannah Shaughnessy (5.ª), Paige Alms (6.ª), Wrenna Delgado (7.ª) e Mercedes Maidana (8.ª).

De fora por lesão mas a acompanhar a ação de perto esteve o português João de Macedo, que este ano ainda só competiu em uma das três etapas realizadas. As duas primeiras etapas do calendário foram canceladas por falta de ondas (Chile e Peru), faltando agora apenas a realização do Dive N’ Surf Todos Santos, No México, cujo período de espera termina no final deste mês.

GRANT “TWIGGY” BAKER: CAMPEÃO MUNDIAL SEM COROA… HÁ DOIS DIAS E A CONTAR

Por mais estranho que pareça, o Dive N’ Surf Oregon Pro terá coroado o campeão mundial de ondas grandes de 2013/14, embora este ainda não tenha sido oficializado dois dias após a prova ter terminado. Como avançámos bem cedo, diga-se, na notícia do triunfo de Alex Gray em Nelscott Reef, Grant “Twiggy” Baker, que ficou no 3.º posto do campeonato, tinha alcançado um resultado suficiente para segurar o título, mas ainda nem uma palavra por parte da organização do BWWT em relação ao sucedido.

Twiggy havia vencido as duas provas realizadas até ao momento, em Punta Galea e Mavericks, e somava 2000 pontos à partida para o Oregon Pro, quase o dobro do vice-líder que era Ken Collins. Ora, “SkinDog” foi eliminado logo na primeira ronda e o sul-africano já nem precisaria de um grande resultado para ser campeão, uma vez que os surfistas que se seguiam no ranking estavam muito longe.

nelscott-reef-big-wave-challenge-2013-foto-bwwt-130204141713

No entanto, o novo sistema de pontuação, em que a altura da onda também conta para o coeficiente total do ranking, poderia levantar algumas dúvidas em relação ao triunfo ou não de Twiggy, numa altura em que falta apenas uma etapa para o final do circuito, em Todos Santos, cujo período de espera termina no final deste mês, podendo até não se realizar.

Mas mesmo que essa fórmula do tamanho das ondas surfadas entrasse em conta, a diferença de Grant Baker já é tanta que torna-se impossível alguém o apanhar, uma vez que soma 2630 pontos, mais de 1000 em relação aos que se seguem no ranking. Perante as contas óbvias, sites como o SurferToday ou o Surfline não hesitaram em coroar o novo campeão mundial de ondas grandes, sendo que o próprio Twiggy também já assim se considera.

Numa entrevista à revista australiana Surfing Life, que procurou desmistificar o tema, Twiggy revelou que deverá ser uma questão de tempo até sair o press release com o anúncio oficial. O big rider sul-africano não parece preocupado e desculpabiliza a organização pelo facto de a etapa ser disputada longe da costa e os responsáveis pela comunicação estarem nos jet skis a assistir de perto ao evento. Ainda assim, será normal uma demora de dois dias? E a contar… (Será que com o fim-de-semana à porta não se irá arrastar ainda mais?)

Baker

No site oficial do Big Wave World Tour, os rankings estão intactos em relação à etapa anterior. Nem um simples “parabéns, Gran Twiggy Baker” se pode ver no site, o que até nos faz duvidar se já haverá mesmo campeão. A própria ASP, que vai controlar o circuito a partir do próximo ano, não se pronuncia sequer sobre o vencedor da etapa, depois de o ter feito em Punta Galea e, pura e simplesmente, ter desligado para a causa.

Numa altura em que a ASP se prepara para assumir esta pasta e após tantas mudanças já ter feito a nível do World Tour de surf, é bem capaz de estar a ser preparada uma revolução no Big Wave World Tour. Não é sequer imaginável que um desporto com este potencial demore mais de dois dias – a etapa decorreu na noite portuguesa de quarta-feira – para anunciar aquele que é (só) o novo campeão mundial.

Aliás, até poderíamos estar aqui a falar de petanca, com todo o respeito pela modalidade, que a situação seria igualmente peculiar. Resta agora esperar para que Grant “Twiggy” Baker veja ser reconhecida e oficializada uma coroa que ele próprio já assume ter, sucedendo assim a Greg Long.

Grant “Twiggy” Baker SOUTH AFRICA 2,459.00
Ken “Skindog” Collins USA 1,140.13
Nic Lamb USA 1,117.50
Shawn Dollar USA 938.50
Kohl Christensen HAWAII 864.88
Alex Gray USA 850.00
Shane Dorian HAWAII 810.00
Greg Long USA 731.38
Ryan Augustine USA 710.75
Anthony Tashnick USA 666.00
Ramon Navarro CHILE 629.38
Jamie Mitchell AUSTRALIA 599.38

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=184