O poder das ondas: o impacto do surf no Peru


Em 2000, o Peru aprovou uma lei que regula a preservação de surf breaks adequados para o surf e que proíbe a construção de infra-estruturas que possam afetá-los

Isso o tornou o primeiro país do mundo com um sistema legal semelhante. A lei foi o resultado da luta de um grupo de surfistas que viu como obras mal planejadas danificavam as preciosas ondas do esporte aquático.

Levou mais 13 anos até que o regulamento da lei que especifica os procedimentos técnicos necessários para proteger uma onda ou quebra fosse aprovado no Peru. Os triunfos da equipe de surf peruana e a euforia desencadeada pelo esporte da prancha deram aos políticos o impulso que faltavam até então. E em 2016 a onda de Chicama, que é considerada a mais longa do mundo, tornou-se a primeira onda a ser protegida por lei.

Proteger uma onda é um processo trabalhoso e caro. Um relatório técnico sobre o rompimento deve ser submetido à Marinha, detalhando, entre outros aspectos, seu perfil barométrico. Para arrecadar fundos, ‘Hazla por tu Ola’, uma iniciativa cidadã da ‘Conservamos por Naturaleza’ e da ‘Federação Nacional de Tabla’, que hoje conseguiu arrecadar mais de cem mil dólares e permitiu proteger mais de trinta ondas no país.

Mas a quebra da lei de proteção foi aprovada não apenas pelo amor ao mar, mas pelo potencial econômico do surf. Cerca de cem mil turistas vêm ao Peru todos os anos para surfar ondas, o que deixa benefícios de 120 milhões, segundo dados oficiais. E o potencial é imenso: após o sucesso dos Jogos Pan-Americanos, nos quais a equipe de surf peruana foi coroada campeã, o país andino agora aspira a atrair mais competições internacionais nesse esporte.

A proteção das ondas também traz benefícios ambientais e, acima de tudo, sociais. Existem inúmeras iniciativas que surgiram no Peru em torno do surf: escolas municipais e ONGs que vêem o esporte de tabuleiro como uma alternativa para crianças e jovens de origem marginal. O que começou como um esporte para a elite de Lima na década de 1940, acabou se tornando um dos esportes mais populares do país.

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=28154