Australianos vencem em casa o primeiro QS 6000 do ano em Newcastle

By João Carvalho | 28 de fevereiro de 2016 | noticias

Só deu Austrália esse ano no tradicional Surfest de Newcastle em homenagem ao tetracampeão mundial Mark Richards. Matt Wilkinson derrotou o italiano Leonardo Fioravanti na bateria final do Maitland and Port Stephens Toyota Pro e Sally Fitzgibbons ganhou a decisão australiana com Stephanie Gilmore no Taggart Women´s Pro no domingo de boas ondas de 4-5 pés em Merewether Beach. Com as vitórias no primeiro QS 6000 do ano, Wilko e Sally estrearam na temporada 2016 com a liderança no ranking do WSL Qualifying Series. O segundo já começa nessa segunda-feira em Sydney, também na Austrália.

Matt Wilkinson fez a melhor apresentação do campeonato na semifinal australiana com Matt Banting, quando atingiu 19,44 pontos de 20 possíveis com as notas 9,77 e 9,67 das ondas mais bem surfadas na competição masculina do Surfest de Newcastle. Na grande final, ele começou bem com nota 7,33 e dominou toda a bateria com o 8,83 que recebeu na segunda onda que completou. O italiano Leonardo Fioravanti só conseguiu pegar uma boa que valeu 7,83, mas o australiano ainda sacramentou a vitória com a maior nota da bateria, 9,00, para fechar o placar em 17,83 a 13,33 pontos.

Entre as meninas, o grande destaque vinha sendo Stephanie Gilmore, que provou estar 100% recuperada da contusão que a tirou do circuito mundial no ano passado. Numa semifinal eletrizante com a havaiana Malia Manuel, a australiana massacrou uma onda de forma incrível para receber a única nota 10 do ano nas ondas de Merewether Beach. Ela já havia recebido notas 9,50 e 8,73 e selou a passagem para a final com o maior placar do Taggart Women´s Pro, 19,50 de 20 possíveis, contra 16,50 da havaiana, que terminou empatada em terceiro lugar com a francesa Johanne Defay.

Na decisão do título, não entraram muitas ondas boas para as duas finalistas, mas Sally Fitzgibbons aproveitou melhor as chances que teve para vencer por 14,73 a 11,77 pontos com notas 7,83 e 6,90, contra 6,17 e 5,60 de Gilmore. O domingo do Surfest de Newcastle foi quase uma prévia do CT, pois as oito classificadas para o último dia fazem parte do seleto grupo das top-17 que vai disputar o título mundial esse ano no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour. A ex-top da elite, Silvana Lima, foi a melhor representante da América do Sul no primeiro QS 6000 do ano, ficando em 17.o lugar na rodada classificatória para as oitavas de final.

Assim como no feminino, nenhum sul-americano chegou no último dia do Maitland and Port Stephens Toyota Pro. Quatro disputaram as oitavas de final no sábado e foram eliminados em nono lugar no primeiro QS 6000 do ano, com cada um recebendo 1.550 pontos e US$ 2.500 de prêmio. O uruguaio Marco Giorgi foi barrado pelo campeão Matt Wilkinson e é o único surfista da América do Sul entre os dez primeiros do ranking que se classificam para a divisão de elite da World Surf League. Ele chegou a assumir a ponta, mas acabou ultrapassado por seis surfistas e ocupa a sétima posição na tabela das dez etapas completadas em Newcastle.

Os paulistas Hizunomê Bettero, Deivid Silva e Jessé Mendes, eram as últimas esperanças do Brasil repetir a vitória conquistada pelo catarinense Alejo Muniz no ano passado, mas os três foram derrotados em duelos seguidos no sábado. Hizunomê perdeu para o australiano Ryan Callinan, depois Jessé foi batido por incríveis 11,87 a 11,84 pontos pelo americano Patrick Gudauskas e Deivid quase não achou ondas contra o havaiano Joshua Moniz.

quartos_necastle2

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A missão da World Surf League é simples: inspirar uma mudança positiva para o surf e nossos fãs. A WSL, nova sigla da antiga ASP (Association of Surfing Professionals), vem realizando os principais campeonatos de surf desde 1976, decidindo os campeões mundiais de cada temporada no Samsung Galaxy WSL Championship Tour, do Big Wave Tour, Longboard e Pro Junior, além das etapas do Qualifying Series, as regionais do Pro Junior e Longboard e outros eventos, como o Big Wave Awards. A WSL também vem resgatando a rica história do esporte, promovendo baterias entre estrelas do passado, unindo progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis de todos os tempos. A WSL quer os melhores surfistas do mundo nas melhores ondas do mundo.

Para acompanhar o melhor surf do mundo, é só acessar o www.worldsurfleague.com como milhares de fãs do mundo inteiro, para assistir ao vivo as maiores estrelas do esporte como Kelly Slater, Mick Fanning, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Makua Rothman, Grant “Twiggy” baker, Greg Long, Stephanie Gilmore, John John Florence, Carissa Moore e tantos outros no campo de batalha mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes.

Link permanente para este artigo: http://www.floripasurfreport.com.br/?p=4593